onselectstart='return false'>

Pensamentos na Madrugada

28 novembro 2008

2 comentários


Com apenas a pena e o papel vejo um mundo que muitos não vêem
Sonhos perdidos na madrugada, sonhos ganhos em mais uma nova manhã
O vento bate forte na janela, a alma se aquece dentro do corpo
Mas ainda as lágrimas não existem nos semblantes tristes das estatuas
E o sol não raiou (se é que irá raiar) no horizonte desta casa
Os acordes tristes do piano que tocam em meus ouvidos
Quem me dera fazer um soneto...
Eu vejo as crianças sentadas sobre a neve com ares de inocência imaculada
E os pássaros no céu infinito a bailar por entre as estrelas em imenso esplendor
As frases indecifráveis que se ouvem por aí são apenas a minha fala que somente os simples de coração podem escutar e desfrutar do balançar das marés
E quando a lua com seu brilho repousar sobre nós, já estaremos seguindo nosso caminho, estaremos voltando para nosso antigo lar.
Talvez a essência do nosso amor esteja se perdendo no meio do caminho
Façamos o possível para recuperá-la antes que seja tarde.
O frio do inverno, nem mesmo o mais gélido pode fazer desnudar um sorriso.
Que cada falha na pontuação não seja um erro que venha acarretar em meu futuro
Nem mesmo a filosofia e loucura dos homens bons irão afetar meu bom senso
Mas ainda falarei das flores que jazem em seus túmulos
Porém nem mesmo a morte me fará esquecer do rosto mais belo que já pude enxergar nesta vida...
Enquanto durmo cantarei as boas novas trazidas pelos ventos ancestrais que mesmo sem fala ecoam de eternidade em eternidade


O Encontro dos Anjos - Meu Eterno Anjo

26 novembro 2008

1 comentários



Novamente ela vem, para, continua parada, olhando com aquele mesmo olhar,
Olhar lúgubre, o olhar que me faz refletir.
Sua palidez que me envolve, laços dantes nunca tidos, seus cabelos sobre a face, escondendo as lagrimas que rolam, senti-me incomodado, dei alguns passos e a abracei, sua pele fria encharcada pela fina chuva que caia sobre nossos corpos.
As nuvens pairavam sobre nossas cabeças, os ventos gélidos tocavam em nossas roupas... Aqueles ósculos que durante muito tempo não os sentia, o tempo parecia que não corria, apreciei aquele monumento que diante de mim estava... sorri
Aquele vestido branco, seus lábios lívidos... Dúbio, pensei que era sonho,
Nem dei conta que a lua aparecia como uma foice dourada cortando o céu dissipando todas as nuvens.
Mas eu queria contar-lhe mais... Você quer saber?
Seu nome não me é digno de contar, aqueles olhos, que olhos!
De sua linda boca apenas ouvi uma frase: ”Voltei, pois você me faz esquecer das minhas insanas lembranças”, lembranças das quais não ousei perguntar-lhe.
Vi as trevas em seus olhos e pude sentir sua dor, dor que tão profunda era, senti dentro de mim... Chorei
Beijei aqueles lábios gélidos e lívidos, senti o calor daquele corpo frio e voluptuoso.
Adormeci, ela envolvida em meus braços, acordei e ela continuava lá, linda e lúcida.
A luz do sol refletia e lembrava-me da noite e do s cantos dos corvos que era uma verdadeira serenata na escuridão, então acordou, olhou-me e simplesmente sorriu e disse-me algo que jamais esquecerei: ”Meu anjo, saibas que estás em meu coração e te quero muito bem e você é o único que pode me entender”. Tais palavras me comoveram, jamais esquecerei esse dia, o dia que reencontrei Meu Eterno Anjo.


O Enconro dos Anjos -Na luz da Aurora

0 comentários



Pelos vales das sombras estava a caminhar, em meu adito refletir sobre marcas de um tempo que ainda não findou cabeça curvada, olho para baixo expondo-me de forma tão singela. Esquecendo-me de tudo, mostrando meus defeitos, até que... Sinto um toque, ouço uma voz... Levanto meus olhos... Contemplei a beleza daquela que me faz sorrir (creio que neste dia o Criador estava mais inspirado que os demais) senti o seu perfume de rosas silvestres, do qual desde aquela noite que a reencontrei não esqueci da fragrância, olhou em meus olhos, tocou minha face, trouxe-me de volta a vontade de viver, suspirei, mas não foi o último.
Daquela b ela criatura recebi a adoração não merecida e foi ela quem descobriu a perfeição que nunca tive, meus momentos tornaram-se sublimes e meus sonhos esquecidos se revelaram de uma forma abrasadora, deixamos que a chuva inundasse nossas almas, não nos importamos com nada, apenas desfrutamos do momento, o nosso momento.
Sua voz que é mais suave que a mais bela das sinfonias que homem algum ousou tocar.
Passamos mais uma noite juntos, nos sentido, velando e revelando os nossos segredos, tiramos nossas... Máscaras e pudemos ver-nos como realmente somos... Frágeis, necessitados um do outro.
Mas na luz da aurora ela iria embora e mais uma vez chorei e ela também e disse-me: "Tenho que ir, tente olhar para frente, mas sentirei sua falta” e disse mais: ”Voltarei e juntos passearemos pelo jardim, te amo meu menino, meu anjo”. Calei-me e dei o ósculo da despedida, segurei sua mão e vi uma lágrima que rolava em seu rosto, ela se foi, gritei seu nome... Mas não houve resposta, triste silenciei-me, só me resta esperar a volta daquela que me faz sorrir... E ela virá tenho certeza!

O Encontro dos Anjos - Passeio no Jardim

0 comentários




Estou só mais uma vez quieto, pensando na Dama dos meus Sonhos, em uma noite fria sem estrelas no céu, de lá somente chuva... O frio invade meu peito, sinto - me solitário... Passos rápidos... Voz... É ela... Ela... A Dama dos meus Sonhos... Aproximou-se de mim, abraçou-me e perguntou: ”Onde você estava meu amor? Estava sempre pensando em você”. Ela falou. ”Eu estava à tua espera meu anjo”, disse eu,tinha certeza que voltaria,clamei a Deus para que esse dia (ou noite), você voltasse e agradeço-O por você está aqui... Passeamos pelo jardim como outrora ela prometera, vagamos pela noite...
 Sob a chuva, segurando em minha mão falou ao meu ouvido: ”Adoraria adormecer em seus braços agora, és o que desejo”. Dois amantes, apenas crianças procurando abrigo, frágeis, buscando segurança e força... ”Senti muito sua falta”, eu disse, ela pôs o dedo nos meus lábios, pedindo-me para calar-me, obedeci a tal mandamento, calei-me, deitei-me sobre a relva, ela em meus braços, beijou-me os lábios, saciou-me os desejos, nos sentimos livres como pássaros voando no céu azul, seus olhos brilhavam e pude ver a mim neles, o tempo passou em um piscar de olhos nada pude entender e na verdade nem quis entender, mas o que queria mesmo era passar a noite, aquela noite com meu anjo, pois não sabia e ficaria ou iria embora mais uma vez, não estava seguro quanto a isto, despertou e disse: ”Agora tenho que ir, mas ainda voltarei e logo”, levantei-me e dei um beijo naqueles lábios e disse: ”Estarei à tua espera”,nos despedimos encurtando a dor da separação,ela se foi,mas passando um período de tempo recebo uma carta trazida por um pombo branco,e vi que era dela e nesta estava escrito:”Olá meu anjo,está tudo bem?,um grande beijo em você,te amo,gostaria que estivesse aqui agora em meus braços,estou com você à todo o momento e chegará o momento que ficaremos junto para sempre,te amo muito ,meu guardião,estou pensando em ti,beijos doce e singelos pra você meu querido”.Agora só me resta esperar o retorno daquela que me faz sorrir e podermos ficar juntos como prometeu...


O Encontro dos Anjos - Magnificência Insofismável

0 comentários


E o vidro do espelho estava embaçado, não pude me ver, a minha imagem desfigurada exibia o estado da minh’alma. Andava a vagar a noite, pela primeira vez com estrelas no céu, o canto do pássaro noturno fez-me lembrar de algo que jamais esqueci... O anjo da minha noite, a Dama dos meus sonhos. Aquela que me faz sorrir... Indago, como ela está?. Pergunto-me, onde se encontra? Meus pensamentos hipérboles, posso ouvir a nênia, minha canção de exílio, a sua voz a me chamar, mas apenas são ecos dos ventos gélidos que transpassam meu coração...Será que ela continua pensando em mim?Questiono... Sua negridão e escuridade me trazem força... Sinto paz sinto sua falta, sinto-me só a cada noite que passa leio e releio aquela carta trazida pelo pombo branco, grito seu nome ao vento, tola tentativa dela escutar minha voz... Enquanto caminhava um cão atravessava meus passos, olhou-me e acho que pôde ver a minha tristeza ansiosa, dessa vez não havia lua... Perdido no mundo, sozinho na estrada, preso a aquela imagem monumental, aquela magnificência insofismável... Lembro de suas palavras insignes, era uma declaração, queria revivenciar os nossos momentos, Único!.Às vezes sinto-me misantrópico, sozinho em meu adito, lembro-me de ti, do teu vestido branco, dos teus lábios, daqueles beijos doces, meu anjo!Oh! Deus onde está meu anjo?Traga-me de volta!Hoje o jardim no qual passeávamos está devoluto, sem tua presença todas as flores murcharam... Ela disse-me que logo voltaria... Atravesso o lago enquanto espero sobre as escuras águas, incógnito... Quando irei te ver novamente? Eu penso indubitavelmente sinto-a dentro de mim , oh!Meu anjo, Dama dos meus sonhos inimagináveis, Senhora dos meus desejos... Aguardo-te!
Prometeste-me, volte... Para adormecer em teus braços e inebriar-me com teus doces beijos...


O Encontro dos Anjos- Palavras da Dama dos Sonhos

0 comentários



O tédio importuna, mortificando minha alma, muito tempo faz que vejo meu anjo, nostálgica esperança,essa intensa solidão que habita no mais profundo do meu ser, como choro!Lágrimas que regam a minha alma, inerme lembro - me de nossos encontros , lembro de nossos passeios , lembro de nossas noites...nossos momentos.Neste momento estamos distantes, a névoa tenta inibir minha visão, a tristeza atormentante, vivendo um pandemônio, onde está você meu amor?, Meu garoto! Meu anjo sinto tua falta! Todas as noites sinto teu cheiro que deixastes em mim!Aquela noite que nos reencontramos, doces palavras que a mim falastes, em ti encontrei a esperança e a vontade de amar novamente, estou indo ao teu encontro para passarmos mais uma noite e uma vida inteira juntos, como a ti prometi, meu amor!Ah! Como gostaria adormecer em teus braços mais uma vez, Meu Senhor traga-me de volta meu anjo, leva-me ao seu encontro!Súplicas faço a Ti.
Você me dá alegria, sinto falta de teus braços, abraços e beijos, teus lábios, ouço a tempestade, raios e trovões, vejo como minha alma se sente desesperada com a tua falta, somos muito inerentes, ligação de almas, tento sobreviver para poder viver contigo, lamento as vezes que te deixei só, eu sei também chorei imensuravelmente, sem ti vivo em estado mórbido, as trevas me cobrem, vou ao teu encontro, vejo-te em meus sonhos, pensamentos, procuro palavras para descrever o quanto tu meu menino significa pra mim, desejo a tua indeição, pois fiquei tanto tempo distante, inoxiravél sentimento é a tristeza, vago a noite, caminhando solitária como o coração cheio de esperança, minha mente conturbada, meus desejos insaciáveis, sigo teus passos, logo te acharei, pois sei onde se encontra, e o nosso conúbio há de se realizar, chore meu anjo, abrace-me meu menino, pois sou a Dama dos teus sonhos, vamos nos expor, te toco mesmo distante, estarei contigo logo inebriar-nos em nossos beijos, ouvi a tua voz quando gritastes os ventos trouxeram até a mim, logo estarei contigo meu anjo, meu menino, te amo!

O Encontro dos Anjos- O Encontro dos Anjos

0 comentários



Quebraram-se os vitrais, todos despedaçados ao chão, nada mudou, aquela mesma espera, outra noite, outro encontro?Sinto falta daquelas mãos... Dos beijos da minha amada, onde será que ela está? Será que voltará?
Ela me prometeu... A angústia invade o meu peito, que já estava à sua espera com as portas abertas, ainda só, quieto e mórbido, com esperanças...
Temo esse novo encontro, pois tenho medo que o meu anjo vá embora mais uma vez, o que me incomoda é essa demora, o meu anseio, lembro-me de todos os nossos momentos juntos, me recordo de cada mínimo detalhe, seu rosto, aqueles olhos, seus cabelos negros.
Mas ainda me pergunto, por que ela iria embora, porque sempre me deixava e sempre voltava... Mas acho que foi a última vez...
Ah! Que tédio! Não agüento mais viver assim nesta espera, mas louco sou eu que fico a esperar.
Meus sonhos e pensamentos, razões e emoções descontrolados está tudo sem sentido, será que houve o encontro dos anjos? E a Dama? O Anjo?
Tudo está tão confuso!
Mas pra onde ela foi? Ah! Tantas perguntas, muitos “porquês”... Minha mente está conturbada, mas eu senti os seus beijos, seus toques, lembro daquela face de criança, mas... O que será de mim? Não há respostas... Será que isso tudo não foi apenas um sonho?
Cortarei meus pulsos... Daí chorarei.
Oh! Amada minha, Dama dos meus sonhos, onde você está Senhora dos desejos?
Mas não resta mais nada... Não há alma, não há Dama, não há Senhora, não há encontro, não há lágrimas, não há anjo, não há nada...
Nem mesmo eu...


O Silêncio dos Anjos

0 comentários



Nesta noite escura e melancólica,minh’alma chora,grita e clama por socorro
O ceifeiro chama suavemente por meu nome e em sua direção eu sigo
Diante do meu marasmo repugnante ,paro e avisto minha alma estendida ao chão
Chorando porque seu coração está estilhaçado como os vitrais da uma antiga mansão.
Não os vejo,mas os sinto,os anjos em silencio me observam,prestam atenção aos meus movimentos
Caio em terror,de joelhos choro lágrimas de sangue por um amor que tenta ser consumada pela realidade que teima tornar-se uma vaga ilusão mórbida,eu sei que eles (os anjos),esperam uma ordem apenas,para se movimentarem,mas seu General também espera uma atitude de minha parte,e eu também espero uma reação minha e daqueles que observam,que não agüentam ver tamanha dor.
Tento resistir aos meus pesadelos constantes,meus passos já não são os mesmos.
Onde estão minhas forças?,Sozinho nada posso fazer...
Dá-me a mão?
Levante-me deste poço,se puderes aceitarei a tua ajuda...sei que podes...
“O que é verdadeiro é eterno!”..sei que és....
Agradeço ao Rei por esse momento que me trouxe acalanto à alma atormentada.
Eu sou aquele Aflito em total sofrimento,aquele que perdeu o seu brilho como o ouro,
Aquele que tem sua pele enrugada sobre os ossos secos, que com o coração partido acredita que tudo está perdido... menos a esperança...

Velho Forasteiro

1 comentários




Pode-se ouvir os gritos noturnos sobre o vale, a imensidão escura cobria todo o firmamento que parecia que se curvava sobre o velho forasteiro.
Em sua bagagem trazia consigo a melancolia e em seus braços a tristeza que sempre o acompanhara.
Pensamentos de morte ,terrores e assombros tomavam conta de sua mente que quase faltava sanidade para poder ir ao caminho que desejava,passando pelas arvores secas que jaziam em trevas, sombras o observavam tentando decifrar para onde o velho seguia...
Nesta noite mórbida e vazia vozes e sussurros vinham ao seu encontro, ameaças de morte, ”esperanças”* de suicídio vinham em sua mente quase apodrecida pelo rancor e ódio, pela angustia e o medo.
Seus olhos tristes e pesados, ombros curvados, parecia que era um cadáver ambulante no meio do vale a caminhar, suas vestes negras e surradas pelo tempo o fazia parecer mais velho ainda.
Seu caminhar era lento e pesado, parecia que seus sonhos estavam perdidos no seu passado assombroso. Depois de caminhar milhas e milhas avistou a colina de onde subia uma fumaça escura e tenebrosa,arrepiou-se ao ver a fumaça que subia como um espiral até o alto céu,fumaça a qual se confundia com as nuvens escuras que cobria o teto do planeta.
Apenas ele, o velho forasteiro, solitário, acompanhado apenas pela melancolia e a tristeza as quais não faziam questão de abandoná-lo de forma alguma.
Chegando ao topo da antiga colina, ele pode ver uma pequena igreja de madeira, que parecia ter mais de um século que fora construída.
Apressou-se até a velha e pequena igreja, abriu as portas com suas ultimas forças que lhe restavam...
Dobrou-se diante dela...
E ajoelhado foi até o altar, o velho derramou-se em lágrimas que parecia mais uma criança e clamando por clemência e compaixão gritou e seu clamor subiu até o trono de Deus.
“Se é que tu existe, socorra-me, pois desesperado estou, minha alma sofre os terrores das sombras e já não tenho mais forças, esse pode ser meu ultimo suspiro”-Disse o velho.
Um vento forte invadiu a pequena igreja e uma voz linda e suave falou-lhe:
“Filho amado estive contigo durante a passagem por esse vale de sombras e morte, vi tua fraqueza e sabia que viria aqui, clamou a mim e agora te respondo, te levarei em meu colo, dê-me a tua mão meu filho, te darei vestes novas e caminharei contigo pelo caminho que já preparei para ti”.
O velho forasteiro levantou, olhou para trás e sentiu-se novamente com vigor, caminhou até as portas da antiga igreja e avistou todo o imenso vale que havia atravessado, mas ele soube naquele momento que não caminhara solitário, pois lembrara de todas as palavras que saiam de seus lábios toda vez que orava dentro do negro vale. Mesmo duvidando da existência de Deus,ele sabia que sua caminhada não seria em vão,pois tinha esperança que esse mesmo Deus que ele duvidava existir poderia socorrer-lhe um dia,pois ouvia tantas pessoas falar d’Ele quando era jovem.
E mais uma vez o forasteiro prosseguiu em sua caminhada, não mais em um vale, mas em um caminho plano guiado pelas mãos do Deus dos céus.



* “esperanças de suicídio”:pessoas imaginam que quando nada vai bem consigo o suicídio é o melhor caminho,sendo que estão totalmente enganadas.


O Último Grão Da Ampulheta

0 comentários

Minhas lágrimas escorrem, inundam o meu coração.
A marcha fúnebre aproxima-se,cantando , entoando o cântico mais profundo.
Meus lamentos insuportáveis assemelham-se à dor escura, sou levado por minha tristeza, que como um punhal rasga minha alma de alto a baixo.
O que será que está escrito?
Espero obter forças...
As chamas da lamúria me cegam, minhas emoções frustradas se derramam sob meus pés, uma luta entre tristeza e lamentos, solidão e culpa...
Anjo meu, Amada minha, espere-me, pois irei cuidar de ti, agasarlhar-te-ei...
Minha doce Lady, sonharei com nossos belos momentos que são inesquecíveis,
Perdoe-me por nesta hora insana, não poder segurar tua mão, Amada da minha alma, chegarei a tempo antes que o último grão de areia que sobrevive na ampulheta morra, estarei contigo e jamais te deixarei.
Sou teu Anjo da guarda, teu querido servo, pede-me e eu farei, Querida minha põe-te perto do Deus dos deuses, Ele é melhor que eu e te ama ainda mais que eu... Teu Cavaleiro, teu servo, teu amor...


Nefasto

25 novembro 2008

0 comentários


Admirando as estrelas na caverna da ilusão
Observando a escuridão azul do gelo eterno
Em um marasmo maléfico e sórdido
Meus olhos ardem, cansados de procurar a essência que um dia já tive.
Eu, carrasco de mim mesmo sendo alimentado dores, banhado por minhas lágrimas...
Andando cabisbaixo, a vela se apaga com o sopro da leve brisa que perfura meus pulmões... Um caminho trilhado pelo esquecimento.
Nas florestas escuras, na noite mais sombria da minha vida, onde vozes me dizem pra seguir um outro caminho, caminho de ódio, infortúnio e loucura.
Onde irei chegar? Onde devo ir?
Clamo nessa noite por arrependimento, há solução pra mim?
Minhas mãos sujas com meu próprio erro, eles riem de mim (eles sabem quem são também fui eu que errei).
Não quero ir onde me deixam preso por minhas correntes... Ajude-me meu amor...
O inferno está em minhas veias, leve-me e peças pra trocar meu sangue...
Amada minha, nefasto sou, mas tu és bela, é a minha amada, e sabes disso...
Ajude-me a passar por esta floresta pra chegar ao castelo do Rei.


Cânticos dos Pássaros Noturnos

1 comentários



Não tão distante os pássaros noturnos são visto a vagar nos altos céus
Olho para o firmamento e os observo do alto de uma torre vazia
Surpreendo-me com o seu bailar e os cânticos que ecoam por toda a extremidade.
Lembranças mórbidas vêm em minha mente, pensamentos de morte.
Pesadelos infindáveis que ecoam na memória em um sono profundo
Em um bosque deserto me vejo a caminhar por entres as arvores
Todas elas com um ar sombrio e melancólico como se não houvesse vida dentro delas
Caminho em direção ao nada,deparo-me com uma velha cabana cujas madeiras já há muito apodrecera, adianto os passos e com uma imensa curiosidade avanço cada vez mais.
Meus olhos vislumbram a cabana quase em ruínas, sinto que já estivera ali em um passado recente, porém não lembro de nada parecido, caio de joelhos diante da velha construção e sem motivos derramo-me em lagrimas que encharcam a terra.
Não sinto forças para levantar muito menos vontade, sinto minha pele enrrugar-se e minha alma desfalecer dentro de mim, tristeza insana que toma conta do meu interior.
Mas que poderes tem essa antiga construção para me deixar neste estado tão mórbido?
Nada posso entender e nada posso aceitar dessa maneira, tem que haver alguma razão pra isso tudo acontecer.
Depois consegui levantar quase sem forças pude vasculhar todo o lugar e toda minha mente fui entender que aquela velha cabana era apenas meu passado o qual já havia esquecido há tempos e que queria que eu o encontrasse mais uma vez.
Meu coração palpitou e um ar gélido tomou conta de meu corpo ao me deparar com tal descoberta, sombras de um passado morto loucamente queriam sair de sua sepultura já esquecida nas lembranças.
Então um grito ecoou do mais profundo de minha alma ferida, minha voz tremula e incessante bradou com toda sua força...
E mais uma vez cai de joelhos e dessa vez clamei ao Senhor e quase sem voz pedi socorro, pois já não suportara tamanha dor e confusão, um desfile de imagens passeavam diante de mim, mostrando cenas de uma vida, a minha vida.
Houve grande estrondo e o medo tomou conta de meu ser fragilizado, mas logo se acalmou e senti uma sensação de nostalgia daquele toque divino, meu socorro estava diante de mim, meu Senhor viera e me resgatara mais uma vez e assim caminhei novamente e sai de dentro do bosque obscuro.
Então despertei deste sonho louco e mórbido cheio de insanidade e medo e voltei a contemplar o bailar dos pássaros no céu estrelado.


O Sofrimento do Aflito

1 comentários



Tenho sofrido tanto que minha vida está à beira da sepultura
colocado entre os mortos, como cadáver que jaz na tumulo
vivo nas mais densas sombras, na escuridão mais profunda
sou um aflito em total sofrimento, vagando na imensidão do deserto
onde chacais perambulam por ele
já não se ouve mais a musicas, minha dança se transformou em lamento, por isso meu coração desfaleceu.
estou exausto, não posso descansar, já não tenho forças
sou como o ouro que perdeu o brilho, minha pele enrrugou-se sobre meus ossos
tento chorar, mas não consigo, sinto-me despencando em um vale de profundas dores
mas o que posso dizer?
Meu coração em total bagunça, sendo torturado por meus loucos e insanos pensamentos
Vamos celebrem meu funesto, cantem minha nênia
tanta solidão que corre em minhas veias e corrói minh'alma, essa magoa mata-me aos poucos, meus gemidos se espalham
nessa madrugada sombria total melancolia me aflige novamente, todos os caminhos que já percorri, vagando por essas veredas antigas que me levam a lugar algum
lembro-me da minha aflição e meu delírio, da minha amargura e meu pesar... Meu esplendor já se foi!
Fecho as janelas do meu coração, a poeira cobre minha face, já não há mais poesia, com o coração despedaçado, já não sinto mais, estou esquecido, minhas lágrimas regam o campo vazio, minha morada foi destroçada como se fosse um simples jardim
amaldiçoe essa morte...
Lembro-me do Senhor que me traz esperanças, meus sonhos cada vez mais perdidos, meus pesadelos me atormentam.
sangro sem motivos, reflito com minhas dores, meu coração transpassado e levado pelo moinho de vento
que essas palavras sejam o meu epitáfio....lanço-me no mar do sofrimento, tento nele me afogar
meu corpo com as marcas de todas minhas feridas meus desejos perdidos na densa floresta da solidão
por onde caminho, por onde me perco e desapareço....

Lágrimas de um Poeta de Porcelana

0 comentários
P
Foi-se todo o prazer e ainda escuto sussurros.
Ainda quebrado como uma porcelana, continuo.
Não sei se o ar pode entrar nos meus pulmões.
A tristeza segue todo o meu cotidiano, talvez ela precise de uma companhia assim como eu.
Todas essas vidraças onde me reflito, onde vejo minha alma.
Sei que todas minhas noites se tornaram ainda mais escuras, sem estrelas e esperando luar.
Onde estão os pássaros?
Perdido estou, sem mais palavras, nem mesmo algum suspiro.
Meus passos pelo menos estes se firmam.
Que ventos te trazes? Que bom que aqui comigo estás.
Sinto-me aliviado, quem me dera...
Todas essas lágrimas, todo esse sofrimento Será que no fim do túnel ainda há esperança?
Correrei para ver.
Te esquecer, oh Bela Dama?
Não me ordenes isso, pois prefiro a morte e a dor do que perder na memória tão linda fisionomia.
Deixe-me aqui como um bardo apenas com o papel, a pena e a tinta, pois escreverei tudo o que sentes, pensas e desejas,
E escreverei todas estas palavra no papel em branco que se chama coração.

À Uma Guerreira

0 comentários


                                                   
                                                      Dedicado a minha grande irmã Trixie Rose

Nostálgicas lembranças que não querem morrer teimam perturbando-me dia e noite, dizendo que em meu coração é a sua estadia, magoas me causam uma interna hemorragia, assolando e rasgando de alto a abaixo meu peito
oh minha amada lady a qual tanto amo e anseio ver-te os olhos, quando chorastes minhas lagrimas te acompanhara
senti tuas dores e aflições, coloquei em meus versos o teu clamor minha doce criatura, tu que já sepultaste o amor que deixaste escorrer por entre os dedos
peço-te saia da floresta encantada da sobrevivência, eis-me aqui teu cavaleiro com espada em mãos, te rogando o perdão por nada poder fazer, pois esta guerra é tua somente
onde está tua valentia? Toda a tua coragem? Acaso esqueceste que és guerreira?
Por que deixaste cair o teu semblante? E desfalecer teu coração?
Lute minha lady, avante minha guerreira força está em ti
eu, porém clamarei ao supremo por ti, apresentar-lhe-ei o teu clamor e pedirei que te dê mais forças
pois bem sei eu que lutar contra si mesmo não é tão fácil quanto pensamos ou imaginamos
onde está a tua revolta?
É a hora de por em prática
mas só te peço algo "não deixe que tuas lembranças te matem”
mas tragas a vitória para mim, pois quero brindar contigo e comemorara tua conquista por toda eternidade.


Lembranças Nunca Morrem

0 comentários

  Tributo à Camelia Moss


Mais uma vez perdido estou em meus pensamentos
Lembro-me de alguns momentos felizes e muitos sorrisos que hoje já não existem.
Minha alma perdida na lembrança, esquecida está minha vida.
Não entendo como pude esquecer todas essas promessas.
Vivo em uma necrópole onde vida alguma há.
Em meio à sordidez, vagando entre a eterna morada dos corpos mortais.
Escuridão total, lágrimas que escorrem em um rosto molhado.
Sinto tua falta, aqui comigo só resta o repúdio tento gritar, meu corpo todo estremece.
Onde estão as estrelas neste céu tão negro?
Luto comigo mesmo todas as noites, grande remorso, não pude evitar.
Sangrando, perdendo total vitalidade que um dia tive.
Rogo-te clemência a um desesperado por luz intensa.
Um súdito clamando a seu Rei.
Mas peço-te querida, não fique triste, pois é por tua causa que todo esse espaço está sendo ocupado por meus pensamentos.
Dizes que é “um nada”?!
Louca está, perdestes a sanidade?
Jamais fiques assim novamente, não é mais um pedido e sim ordem.
Ouça o coral que lindo canto, todas essas vozes...
Que dia te verei novamente criatura celeste?
Lembre-se de mim anjo guerreiro...
Sonhe todos os teus sonhos, quebre as correntes e voe para a liberdade

Dança Infinita

0 comentários



  À Lady Moss (Grande Amiga)



Em tua companhia me sinto livre
nesta bela noite, onde contemplamos nossos sonhos.
Onde nos encontramos a sós, ouvindo o bater dos nossos corações.
Neste ritmo, neste compasso, nesta sincronia absoluta.
Que nos sintoniza e nos uni cada dia mais
em minhas orações está o teu nome e em meus pensamentos sempre estará lá
o teu rosto sublime, tua presença indispensável pra minha existência.
Tua singeleza que me atrai, tua essência que me fascina.
Com a mão no peito e o olhar voltado a ti, me escondo, pois me faz tremer.
Apenas ao sentir teu perfume... Farei minhas as tuas palavras que um dia marcaram minha alma para sempre...
"és minha musa, a minha inspiração, meu sopro etéreo de vida”.

Almas Entrelaçadas

1 comentários


Surge em minh’alma palavras de um destro escritor
Palavras essas que necessitam serem ditas e escutadas
Belas frases para um coração majestoso
Para uma linda face de mulher
Nessas palavras constam a beleza, o amor e o perfume.
Amada minha, teus olhos são luzes para mim.
Teu sorriso assemelha com a aurora que vem ao encontro depois de uma noite fria
Em teu seio desfaleço de amores e em teus sonhos flutuo no horizonte
Quão suave e amável és!
Pede-me e dar-te-ei... chama-me e logo estarei perto
“Cativaste-me o coração com apenas um dos teus olhares!”
És minha canção, meu verso predileto de todas as poesias.
O som mais doce que meus ouvidos apreciam
És a rosa entre os espinhos...
Alegra-me ver essa tua face de criança, teu rosto de anjo dourado.
Princesa sem reino, menina mulher, teu reino sou eu, o trono meu coração.
Distante estás, porém a cada dia mais perto da minha alma.
Tua existência me obriga a viver todos os dias
Pois o prazer que há em mim é saber que vives
Posso não ser o dono do teu coração
Mas sei que existe uma porção, não sei se grande ou pequena.
Mais o que isso importa?
O que importa é o amor puro de duas almas que se entrelaçam
Que se devotam e se apaixonam todos os dias!


Lugar Vazio

0 comentários

Nas memórias relutantes que assombram o teu ser, no teu esconderijo onde teu coração permanece eu sei que tem um lugar guardado pra mim na caverna do teu ser cujo lugar onde as águas se encontram, no labirinto do teu ser, na incerteza do teu interior há um lugar guardado pra mim manso ainda esquecido, abandonado, traído, certamente sei que há um lugar guardado pra mim nas trevas do teu coração, na floresta negra dos teus pensamentos na virtude de tua tristeza, na obscuridade de tua vertigem. Eu sei que há um lugar guardado pra mim nas lembranças remotas, nas bravas ondas de tua amargura, no triste lar vazio que habitas há um lugar guardado pra mim no derramamento de tuas lagrimas, nos prantos inconsoláveis, na carência de tua alma há um lugar guardado pra mim no teu coração despedaçado, em teu peito dilacerado, no descontentamento da tua alma permaneço crendo que há um lugar guardado pra mim conheço tuas memórias, sei onde é teu esconderijo já passei pela caverna, caminhei pelo labirinto, passei pelo teu interior, levei a luz para a floresta negra caminhei sobre as bravas ondas, quero habitar nesse lar vazio e enxugar tuas lagrimas e cuidar da tua carência, concertar teu coração e reluzir na tua vida mesmo ainda abandonado ou traído, te amarei mesmo assim... não te abandonarei pois tu és minha filha a amada da Minh'alma querida minha vem pra mim, sou teu Senhor e Pai... Jesus Cristo

Lágrimas Petrificadas

0 comentários



Apenas eu, em uma noite fria, os ventos dilaceram minha alma,
A angústia e a tristeza me envolvem em seus mantos acolhedores,
As palavras evitam ser escritas por minha velha pena.
Fugindo da minha mente que lastima suas lembranças sombrias.
Penso eu em meu mínimo entendimento, em tudo que me disseras...
Bela Dama estou contigo sempre, até mesmo em teus momentos solitários.
Estou com o coração partido como se fossem cacos de vidro de uma antiga vidraça
Cuide de mim, cuide de si... Cuide de nós!
Como um pirata que sai a procurar seu tesouro em terras longínquas, irei buscar o meu tesouro, teu coração...
Neste momento apenas ouço os gemidos da brisa confortante.
Ainda a ponto de morrer, sofrer um dano, cair em terror, buscar-te-ei mesmo ainda que estejas em uma lápide fria e tenebrosa, não medirei esforços para buscar-te.
Ajude-me na minha constante ignorância
As lagrimas petrificaram-se dentro do meu peito,
Apenas tu oh! Magnífica imagem,
Podes
Torná-las em gotas novamente, traze-as ao seu estado original.
Venha a mim querida, rasgue meu peito, tome para si o que resta de mim...
Roube-me nesta noite, suplicas faço a ti, por favor, roube-me para ti, pois já não suporto esses ventos que dilaceram minha alma.

A Morte Para o Filho

0 comentários

As trevas cobriram o firmamento, a escuridão envolveu toda a Terra.
Lugar da Caveira, lugar de morte e tristeza.
Abandonado por todos e também por Aquele que Lhe trouxe à existência
Os ventos gélidos batiam em Seu corpo quase desnudo e ferido.
A morte para o Filho assim foi como dantes outros falaram
Recebendo o beijo da morte, gritastes em alta voz e entregaste o espírito.
Consumado já está, o mais Nobre de todos, Perfeito por natureza, foi levado ao sepulcro fétido e isso é o fim...
O fim da morte é o começo para a vida, pois a morte já está vencida.
O filho torna a viver, Ele ressuscitou, o sepulcro está vazio.
As montanhas tremem diante Dele, mas quem é Ele?
Quem é Ele que pode ressuscitar dentre os mortos?
Ele é a própria vida
Ele é...
Jesus, o Cristo.

Necrópole De Almas Viventes

0 comentários


Toda dor é real, nas profundezas do meu lamento amargurado.
Sinto os pesares nas minhas costas, aflições atingem-me.
Mascaras caem dos nossos rostos, sinto-me desnudo sem minha tristeza.
Não há mais que eu possa fazer pra ajudar-me...
Vejo-me numa necrópole de almas viventes, há muito sinto meus ossos doerem.
Todos cegos pela escuridão que eles mesmos criaram uma fantasia sem igual.
Tenha misericórdia Senhor, perdoa-nos, pois não sabemos o que fazemos... E o choro se derrama mais uma vez...

Súplica

0 comentários

O que sentes, oh bela criança?
Diz-me onde está o teu temor.
Sei que quando olhas pela janela podes ver a tua tristeza embaraçada com horizonte.
Não tenho teu remédio, tampouco o sou, mas sei Quem podes te dar cura.
Fala-me o que desejas que te faças para obter dessa linda e triste face um sorriso.
Oh! Melancólica criatura, onde te escondes.
Tu que se encharca com as próprias lágrimas e que sofres nessa vida de um simples mortal
Tua tempestade me envolveu impetuosamente que pude até te sentir.
Procuras sempre inconsolavelmente o beijo da Morte.
Por que desejas encontrar-te logo com Ceifeiro Severo?
Andas pelo caminho da insana tristeza...
Mas peço-te... Volte
E mostrar-te-ei a luz, os corvos já acabaram a sua cantoria e a madrugada já se foi e esta poesia se finda.

Espertarii Mortis

0 comentários



A negridão dos meus dias corre meu interior que vazio está
Nada há de me consolar, nada cessará o meu sono profundo.
Essa escuridão que me leva em um barco guiado pela melancolia bucólica
A cada nascer do sol, uma gota de sangue se esvai, e em seus brilhos minha força enfraquece.
Apenas choro acompanhado pela solidão, minha alma trajando a obscuridade, nada enxergo, nada sinto.
Pensei em alguns momentos felizes que passei
Antes de vagar pelo vale da sombra da morte e por este deserto assolador
Um belo sorriso
Trouxe-me um vigor então minha voz ecoou e do ventre do mais profundo do inferno clamei...
Minha voz invadiu a sala do trono do Altíssimo e fui resgatado por Ele.
Minhas feridas foram curadas, toda a enfermidade foi-se embora.
Toda aquela escuridão morreu apenas com o brilho da Glória de Deus e assim restaurado estou e habitando em meu novo lar,nos céus prostrado diante do Rei.

Nas Asas De Um Anjo

0 comentários





Na beleza poética de tuas palavras que são com mel ao meu paladar, teus olhos iluminam minha noite, meus pensamentos acompanham lentamente a tua face de anjo que me alegra, vejo meus sonhos restaurados.
Se todas as rimas de um destro escritor falassem de ti, ainda não seria o bastante.
Minha doce criança, um sentido de vida, o teu rosto desenhei em meu coração, como tatuagem marcaste minha carne.
Indispe
nsável é tua presença em minha vida, tudo o que eu disser ainda não bastaria para dizer o quanto te amo e admiro.
Perdoe-me se minhas palavras te feriram e fiz chorar teu doce coração, mas sei que perdoa-me mesmo que eu não peça, pois tua bondade é maior que a ira.
Anjo meu de asas douradas leva-me para conhecer as nuvens contigo, ir além de tudo que eu possa enxergar.
Aqueça-me com tuas asas, com tuas mãos lavadas levante meu semblante caído.
Caminhe comigo...
Anjo Amado
Anjo Amigo