onselectstart='return false'>

Cânticos dos Pássaros Noturnos

25 novembro 2008




Não tão distante os pássaros noturnos são visto a vagar nos altos céus
Olho para o firmamento e os observo do alto de uma torre vazia
Surpreendo-me com o seu bailar e os cânticos que ecoam por toda a extremidade.
Lembranças mórbidas vêm em minha mente, pensamentos de morte.
Pesadelos infindáveis que ecoam na memória em um sono profundo
Em um bosque deserto me vejo a caminhar por entres as arvores
Todas elas com um ar sombrio e melancólico como se não houvesse vida dentro delas
Caminho em direção ao nada,deparo-me com uma velha cabana cujas madeiras já há muito apodrecera, adianto os passos e com uma imensa curiosidade avanço cada vez mais.
Meus olhos vislumbram a cabana quase em ruínas, sinto que já estivera ali em um passado recente, porém não lembro de nada parecido, caio de joelhos diante da velha construção e sem motivos derramo-me em lagrimas que encharcam a terra.
Não sinto forças para levantar muito menos vontade, sinto minha pele enrrugar-se e minha alma desfalecer dentro de mim, tristeza insana que toma conta do meu interior.
Mas que poderes tem essa antiga construção para me deixar neste estado tão mórbido?
Nada posso entender e nada posso aceitar dessa maneira, tem que haver alguma razão pra isso tudo acontecer.
Depois consegui levantar quase sem forças pude vasculhar todo o lugar e toda minha mente fui entender que aquela velha cabana era apenas meu passado o qual já havia esquecido há tempos e que queria que eu o encontrasse mais uma vez.
Meu coração palpitou e um ar gélido tomou conta de meu corpo ao me deparar com tal descoberta, sombras de um passado morto loucamente queriam sair de sua sepultura já esquecida nas lembranças.
Então um grito ecoou do mais profundo de minha alma ferida, minha voz tremula e incessante bradou com toda sua força...
E mais uma vez cai de joelhos e dessa vez clamei ao Senhor e quase sem voz pedi socorro, pois já não suportara tamanha dor e confusão, um desfile de imagens passeavam diante de mim, mostrando cenas de uma vida, a minha vida.
Houve grande estrondo e o medo tomou conta de meu ser fragilizado, mas logo se acalmou e senti uma sensação de nostalgia daquele toque divino, meu socorro estava diante de mim, meu Senhor viera e me resgatara mais uma vez e assim caminhei novamente e sai de dentro do bosque obscuro.
Então despertei deste sonho louco e mórbido cheio de insanidade e medo e voltei a contemplar o bailar dos pássaros no céu estrelado.


1 comentários:

Márcio disse...

Simplismente perfeito
Gostei...Parabéns