onselectstart='return false'>

No Compasso Do Bater Das Asas das Borboletas

18 maio 2010




Hoje o céu estava cinza quando abri meus olhos
E escutei as batidas do meu coração que estava no compasso do bater das asas das borboletas
que há tempos não as viam em meu quintal
Hoje me senti solitário e depois de um desabafo senti que a pressão aumentou um pouco, mas não foi culpa minha,talvez tenha sido culpa das farpas de madeira que entraram no dedo do marceneiro
Mas não quero falar mais sobre isso,já viram como as cores estão todas misturadas?
Será que vou viver sem teu corpo junto ao meu?
Sem tua mãozinha perto da minha?
E sem teus braços dentro dos meus?
A voz suave me faz refletir em todos os momentos que sonhamos ter um dia
E isso passeia em minha mente,talvez sejam apenas imagens abstratas de um futuro não vivído
E de lembranças que não chegaram.
De todos os triunfos da humanidade,você é o que mais preciso.
Não importa se outras musas existam,a minha "Mona Lisa" sempre será você.
Cantem a canção de outrora,corram novamente para o desatino
Lancem-se mais uma vez ,que a indecifravél está por vir.

2 comentários:

Marcelo disse...

Um belo escrito, meio enigmático como o sorriso de "Mona Lisa" gostei...

Ana Paula Duarte disse...

Ai ai...só o amor é capaz de nos fazer escrever assim, de nos fazer ter musas e musos...rsrs
E de fazer nosso coração bater no compasso das borboletas...Linda postagem!
Parabéns.